Buscar
  • sbtmadm

Ética Teológica no Brasil e no Mundo: SBTM, CTEWC e The First


Membros da SBTM com o fundador da CTEWC em Sarajevo 2018


[Texto de Alexandre A. Martins, vice–presidente da SBTM e coordenador regional para America Latina da CTEWC que foi publicado orignalmene no IHU online.]


Aproveito a oportunidade dada nesse espaço da Revista IHU On-Line para apresentar ao leitor duas organizações parceiras, tanto em nível nacional quanto internacional, que têm contribuído para a desenvolvimento da ética teológica no Brasil e no mundo, tendo presente a sua relação interna com a Igreja Católica e externa com outras tradições religiosas e com a sociedade em geral. As duas organizações referidas são a SBTM (Sociedade Brasileira de Teologia Moral) e a CTEWC (Catholic Theological Ethics in the World Church - Ética Teológica Católica na Igreja Mundial).

A ocasião que motivou este artigo foi a realização da Assembleia eletiva da SBTM nos dias 08 e 09 de novembro de 2021. A Assembleia foi um encontro entre os sócios da SBTM que refletiram sobre o caminho percorrido pela teologia moral no Brasil até os dias de hoje e sobre o futuro da SBTM na promoção dessa teologia no Brasil e no mundo por meio da sua relação com a CTEWC. A Assembleia foi também um momento de confirmação explícita da relação entre essas duas organizações, uma nacional e outra internacional, por meio dos seus membros organizados em uma rede internacional de relações, parcerias e solidariedade. Contudo, antes de referir-me à Assembleia e seus frutos, apresento brevemente a SBTM e a CTEWC.

A SBTM foi fundada em 1977 por um grupo de teólogos moralistas que trabalhavam em seminários e faculdades católicos ensinando teologia moral. Tem como objetivos principais: proporcionar um clima de reflexão e encontro entre os teólogos moralistas do Brasil; oferecer subsídios para o estudo da Teologia Moral; estimular a produção de trabalhos científicos na área de Teologia Moral; proporcionar o diálogo entre os estudiosos da Teologia Moral e outros cientistas (SBTM, Objetivos). Desde então, os teólogos moralistas católicos brasileiros se reúnem num congresso anual para refletir sobre os desafios éticos que vivem a sociedade e a Igreja a partir da perspectiva teológica. Ricardo Hoepers (teólogo membro da SBTM e hoje bispo de Rio Grande, RS) estudou a trajetória da teologia moral no Brasil baseando-se nos seus congressos. Para ele “o enforque da SBTM apresenta um lado dinâmico e criativo da Teologia Moral no Brasil” (Teologia Moral no Brasil: um perfil histórico. Aparecida: Santuário, 2015). Até agora foram realizados 44 congressos, e uma boa parte deles resultou na publicação de um livro anual que reúne artigos dos teólogos e teólogas da SBTM e de várias partes do mundo, de acadêmicos e estudiosos de outras áreas com as quais a SBTM sempre dialogou de forma aberta, honesta e comprometida com o bem comum.

A SBTM sempre promoveu o intercâmbio entre seus membros e a ética teológica desenvolvida fora do Brasil. Isso levou a maioria deles a conhecer a CTEWC e a colaborar com a construção dessa rede internacional de eticistas católicos. A CTEWC foi fundada e idealizada pelo teólogo jesuíta James Keenan que, ao contastar que eticistas católicos pouco conheciam uns aos outros, mesmo aqueles que trabalhavam em instituições católicas numa mesma cidade, em 2006 reuniu um grupo de teólogos eticistas católicos em Roma para um jantar e lançou a proposta de criar uma rede internacional de eticistas católicos com a missão de conectar teólogos e teólogas católicos que trabalhavam a questão ética ao redor do mundo. Assim nasceu a CTEWC, que se expandiu para uma rede de solidariedade e projetos internacionais entre eticistas católicos espalhados por todo o mundo, tendo como objetivos: “a necessidade de um intercâmbio internacional de ideias (...) [que] reconhece a urgência de: valorizar o desafio do pluralismo; dialogar a partir e além da cultura local; e interconectar-se dentro de uma Igreja mundial” (CTEWC, Our Mission). Em seus poucos anos de vida, a CTEWC já atingiu muitos frutos, especialmente quanto à promoção de novas vozes teológicas provenientes de grupos historicamente marginalizados e de países considerados “periféricos” pelas potências econômicas do hemisfério norte. Em 2018, CTEWC promoveu em Sarajevo, Bósnia e Herzegovina, um congresso internacional com aproximadamente 500 teólogos e teólogas, sendo a maioria representantes desses países tidos como “periféricos”. Nessa ocasião, o Papa Francisco reconheceu o trabalho da CTEWC por meio de uma carta que encorajava “homens e mulheres que trabalham na área da ética teológica a se apaixonar pelo diálogo [que constrói pontes e não muros] e a criar relações entre si”.

A SBTM tem colaborado com a CTEWC por meio do trabalho dos seus membros em projetos internacionais, sejam eles congressos, publicações, ensino de teologia, ou até mesmo em serviços de coordenação regional e global. Assim, quando a SBTM se reúne, há sempre uma presença da CTEWC que acontece de variadas maneiras. Há uma relação estreita entre as duas organizações. Por um lado, muitos membros da SBTM foram participantes ativos em congressos e projetos promovidos pela CTEWC. Por outro, a SBTM também tem promovido o trabalho da CTEWC no Brasil, com ações que incluem a tradução para o português dos livros subsequentes aos congressos internacionais de Trento e Pádua. Teológos eticistas da CTEWC de outros países também têm falado nos eventos promovidos pela SBTM no Brasil, como Antonio Autiero (Alemanha), Claudia Leal Luna (Chile), MT Davila (Porto Rico), Marcela Lapalma (Argentina), Paolo Carlotti (Itália) e Bryan Massingale (EUA), só para mencionar alguns presentes nos eventos de 2021. Há também colaboração internacional nas publicações da SBTM, tais como as de James Keenan (EUA), Andrea Vicini (Itália), Pablo Blanco e Emilce Cuda (Argentina), Edwin Vásquez (Peru), Maria Isabel Gil Espinosa (Colombia), Jutta Battenberg (México), apenas para citar alguns nomes. Esse intercâmbio faz com que leitores brasileiros tenham acesso a contribuições e perspectivas internacionais, assim como a participação de membros da SBTM em publicações de CTEWC (geralmente em inglês) Maria Inês de Castro Millen, Ronaldo Zacharias, Márcio Fabri dos Anjos, Alexandre Martins – oferece a mesma contribuição aos leitores estrangeiros.

A cada três anos, é realizada a Assembleia da SBTM para eleger uma nova equipe de liderança, refletir sobre a trajetória da teologia moral no Brasil e traçar prioridades para o futuro. Na Assembleia deste ano (08 e 09 de novembro de 2021), foram eleitos os seguintes teólogos, em sua maioria também membros do CTEWC, para a nova Diretoria: Mário Marcelo Coelho (Presidente), Alexandre A. Martins (Vice-Presidente), Moésio Pereira de Souza (Secretário), Marta Luzie de Oliveira Frecheiras (Segunda Secretária); Andre Luiz Boccato de Almeida (Tesoureiro) e Oton da Silva Araújo Junior (Segundo Tesoureiro). Eles vão continuar a missão passada pela equipe liderada durante seis anos por Maria Inês de Castro Millen, a primeira mulher Presidente da SBTM.

Na Assembleia deste ano foi possível sentir a estreita relação que a SBTM cultiva com a CTEWC, algo destacado várias vezes durante a reunião. Uma das conexões mais frutíferas entre a SBTM e a CTWEC durante esta Assembleia foi a influência positiva que um artigo publicado no The First (boletim mensal da CTWEC) – Bridges Built and Burned in Ethical Discourse (Pontes Construídas e Queimadas no Discurso Ético, tradução livre) da teóloga estadunidense Mary M. Doyle Roche, publicado em 1º. de novembro de 2021 – teve em provocar uma reflexão sobre o papel desse grupo de teólogos e teólogas brasileiros e no discernimento do tema para o seu próximo congresso, em 2022.

Partindo do tema do Congresso da CTEWC realizado em Sarajevo, em 2018 – sobre a necessidade de construir pontes entre teólogos(as) e entre teologia e sociedade em geral, em perspectiva interdisciplinar, intercultural e global –, Roche ressalta que agora é hora de cruzar pontes: “Cruzar pontes exige coragem para entrar em um espaço liminar e esperar que você seja bem-vindo do outro lado”. [...] “Pessoas de boa vontade podem discordar sobre alguns detalhes e, portanto, todos precisamos cruzar algumas pontes. Eu cruzo pontes para aprender com outras pessoas sobre suas experiências. Eu cruzo pontes para acessar recursos. Eu discerni quais pontes cruzar para que a dignidade e a beleza das pessoas marginalizadas sejam sinceramente elevadas e honradas. Eu não cruzo pontes para debater a doutrina, que deixa pouco espaço para [a visão] os corpos dos brutalizados. O autocuidado exige que eu atravesse apenas onde nenhum pedágio injusto é cobrado, onde eu e os outros não somos desumanizados no processo”.

Os membros da SBTM, reunidos na Assembleia, refletiram sobre a necessidade de construir pontes e sobre a coragem necessária para cruzá-las, em vista do diálogo com o outro, rompendo ilhas e preconceitos. O entendimento foi de que a ética teológica deve assumir este desafio de cruzar pontes para além das fronteiras que nos separam de outras disciplinas, perspectivas, métodos, ideologias, instituições, países, culturas e assim por diante. Como resultado, foi escolhido para o Congresso de 2022 o tema: “Cruzar fronteiras: uma urgência para a ética teológica hoje”.

Não há dúvidas de que a relação entre a SBTM e a CTEWC é baseada na subsidiariedade, segundo a qual a autonomia, a identidade e a capacidade de decisão da comunidade local são preservadas e promovidas, enquanto há apoio e suporte de uma instância global. Considerando o contexto eclesial católico do qual a ética teológica faz parte, a relação entre a SBTM e a CTEWC evidencia uma experiência para além da tradicional organização da Igreja em dioceses e paróquias, a de uma Igreja local e universal em relação mútua, aberta ao diálogo com o mundo secular em vista do bem comum.

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo